Governo do Distrito Federal
21/11/22 Ă s 18h32 - Atualizado em 21/11/22 Ă s 18h33

âœ‹đŸœđŸ‘©đŸœđŸ‘©đŸŒâ€đŸŠ±Governo lança protocolo para aperfeiçoar atendimento a vĂ­timas de violĂȘncia

Adriana Machado, da Ascom – SSP/DF

 

Com o objetivo de aperfeiçoar os processos de atendimento Ă s vĂ­timas de violĂȘncia domĂ©stica e fortalecer mecanismos de proteção Ă s mulheres, a Secretaria de Segurança PĂșblica (SSP-DF) lançou, nesta segunda-feira (21), o Protocolo de OperaçÔes Integradas – Procedimento-PadrĂŁo de Atendimento a Mulheres VĂ­timas de ViolĂȘncia DomĂ©stica. O lançamento ocorreu no Centro Integrado de OperaçÔes de BrasĂ­lia (Ciob).

 

O documento reĂșne uma sĂ©rie de açÔes e medidas internas que dĂŁo mais celeridade e uniformidade aos atendimentos realizados Ă s vĂ­timas de violĂȘncia de gĂȘnero. A elaboração do protocolo contou com a participação de representantes das polĂ­cias Civil (PCDF) e Militar (PMDF), Departamento de TrĂąnsito (Detran) e Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), sob a coordenação central da SSP-DF, por meio da CĂąmara TĂ©cnica de Monitoramento de HomicĂ­dios e FeminicĂ­dios (CTMHF) e da Subsecretaria de OperaçÔes Integradas (SOPI). A Secretaria da Mulher (SMDF) tambĂ©m participa da ação.

 

“AlĂ©m de fortalecer as açÔes integradas de enfrentamento Ă  violĂȘncia de gĂȘnero, o novo protocolo tem como objetivo garantir maior sincronia entre as medidas jĂĄ adotadas e, consequentemente, prestar um serviço cada vez mais eficiente”, explica o secretĂĄrio de Segurança PĂșblica do DF, JĂșlio Danilo.

O secretĂĄrio de Segurança PĂșblica do DF, JĂșlio Danilo, diz: “AlĂ©m de fortalecer as açÔes integradas de enfrentamento Ă  violĂȘncia de gĂȘnero, o novo protocolo tem como objetivo garantir maior sincronia entre as medidas jĂĄ adotadas e, consequentemente, prestar um serviço cada vez mais eficiente” | Foto: SSP-DF

HĂĄ cerca de um ano, representantes de cada um dos ĂłrgĂŁos participantes passaram a se reunir para anĂĄlise dos processos jĂĄ adotados e como cada um poderia contribuir com a prestação de serviço dos demais. “Reunimos esforços e, a partir de açÔes sistemĂĄticas e coordenadas junto Ă s forças de segurança, conseguimos chegar a um patamar de atendimento mais cĂ©lere Ă  população”, informa JĂșlio Danilo. A partir do lançamento, serĂĄ feito um trabalho interno em cada um dos ĂłrgĂŁos, a depender da organização de cada um, para que todos os agentes de segurança estejam aptos e saibam dos novos procedimentos.

 

“Caso haja emergĂȘncia, o trabalho da primeira força de segurança que atender Ă  ocorrĂȘncia serĂĄ utilizado pela polĂ­cia judiciĂĄria, de forma que o tempo de atendimento da vĂ­tima serĂĄ diminuĂ­do, evitando-se a possibilidade de revitimização”, explica o coordenador da CTMHF, Marcelo Zago.

 

Uma das participantes do grupo de trabalho responsĂĄvel pela elaboração do protocolo, a titular da Delegacia Especial de Atendimento Ă  Mulher II (Deam II), Adriana Romana, afirma que as reuniĂ”es com a participação dos representantes das forças de segurança foi primordial nĂŁo apenas para os atendimentos dos casos de violĂȘncia consumados, mas tambĂ©m para o enfrentamento do crime. “Quando Ă© necessĂĄrio retirar a vĂ­tima da situação de risco, de vulnerabilidade, e colocĂĄ-la em segurança, a atuação conjunta de toda a rede de enfrentamento Ă  violĂȘncia domĂ©stica Ă© um pilar muito importante para que essa mulher consiga vencer o ciclo da violĂȘncia e passe a viver uma vida com dignidade, que Ă© o que almejamos”, ressalta.

 

“Durante o processo, foi necessĂĄrio construir soluçÔes que melhor atendessem os interesses dessas mulheres vĂ­timas, em combinação com os serviços ofertados em cada um dos ĂłrgĂŁos que compĂ”em as forças de segurança. Foi um grande desafio, que resultou em um documento valioso que nortearĂĄ a atuação conjunta”, completa a delegada.

 

Para a coordenadora do Policiamento de Prevenção Orientada Ă  ViolĂȘncia DomĂ©stica e Familiar (Provid), da PMDF, major Isabela Almeida, o protocolo serĂĄ de extrema importĂąncia para otimizar os atendimentos da corporação. “Por meio da padronização dos procedimentos e dos encaminhamentos junto aos demais ĂłrgĂŁos do sistema de segurança pĂșblica, serĂĄ possĂ­vel prestar um atendimento mais eficaz”, frisa.

 

Edição: JoĂŁo Roberto e AgĂȘncia BrasĂ­lia