Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
3/07/24 Ă s 8h30 - Atualizado em 3/07/24 Ă s 13h44

đŸ‘źđŸ»đŸ‘©đŸœâœ‹DF registra redução de 63% nos feminicĂ­dios no semestre

 

Por Adriana Machado

 

O enfrentamento ao feminicĂ­dio e Ă  violĂȘncia domĂ©stica Ă© tema tratado de forma prioritĂĄria pela segurança pĂșblica e ĂłrgĂŁos do Governo do Distrito Federal (GDF). O trabalho de prevenção, investigação e campanhas que vem sendo realizado resultou na redução de 63% do total de feminicĂ­dios consumados no acumulado do primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo perĂ­odo do ano passado. Em 2024 foram oito feminicĂ­dios e, ano passado, 22.

 

“A redução desses crimes mostra que nosso esforço conjunto tem dado certo, mas nĂŁo hĂĄ motivo para comemoração. Nossa meta Ă© zerar os feminicĂ­dios no Distrito Federal, e continuaremos trabalhando cada vez mais para que nĂŁo haja mais vĂ­timas desse crime na capital federal. O governador Ibaneis Rocha confia no trabalho da Segurança PĂșblica e tem sido incansĂĄvel no apoio Ă s açÔes de combate ao crime”, afirma o secretĂĄrio de Segurança PĂșblica do DF, Sandro Avelar. “É importante ressaltar que, no semestre, mais de dois mil agressores foram presos em flagrante por violĂȘncia domĂ©stica. Isso mostra que o trabalho preventivo de nossas polĂ­cias tem sido essencial para se evitar casos mais graves.”

 

A parceria com a sociedade civil tambĂ©m tem sido essencial nesse processo de redução, como explica o titular da SSP/DF. “Estamos criando, cada vez mais, oportunidades e formas de atuar em conjunto com a população. Estamos atuando em shows e eventos, realizamos seminĂĄrio voltado para a imprensa neste semestre, falamos sobre o combate ao crime e a importĂąncia da denĂșncia em reuniĂ”es dos Conselhos ComunitĂĄrios de Segurança (Consegs) e, ainda, em encontros com representantes de instituiçÔes religiosas e, tambĂ©m, dentro das prĂłprias corporaçÔes, por meio de curso de capacitação sobre o tema.”

 

A polĂ­tica de segurança – o DF Mais Seguro – Segurança Integral, contempla um eixo exclusivo para tratar dessa temĂĄtica: o Mulher Mais Segura. O segmento reĂșne medidas preventivas e tecnolĂłgicas voltadas Ă  proteção da mulher e ao combate Ă  violĂȘncia domĂ©stica e familiar

 

 

A polĂ­tica de segurança – o DF Mais Seguro – Segurança Integral, contempla um eixo exclusivo para tratar dessa temĂĄtica: o Mulher Mais Segura. O segmento reĂșne medidas preventivas e tecnolĂłgicas voltadas Ă  proteção da mulher e ao combate Ă  violĂȘncia domĂ©stica e familiar.

 

A secretĂĄria da Mulher, Giselle Ferreira, ressaltou a importĂąncia das açÔes conjuntas que contribuĂ­ram para essa queda nos crimes. “A redução de 63% dos feminicĂ­dios no primeiro semestre deste ano Ă© um marco importante que indica progresso. Isso sinaliza que nossas açÔes e polĂ­ticas estĂŁo surtindo efeito. Sabemos que ainda hĂĄ um longo caminho a percorrer, e sentimos uma combinação de esperança e determinação para continuar a luta por um mundo onde todas as mulheres possam viver sem temor. Estamos fortalecendo nossas redes de apoio e conscientização para garantir que nenhuma mulher seja deixada para trĂĄs.”

 

Atualmente, 802 pessoas, entre vítimas e agressores, são monitoradas pelas tecnologias. Até o momento, 21 homens foram presos por terem violado as medidas estabelecidas pelo Judiciårio. Ano passado, 33 agressores foram presos

 

De acordo com a comandante-geral da PMDF, coronel Ana Paula Barros Habka, a redução nos Ă­ndices de violĂȘncia domĂ©stica no Distrito Federal Ă©, tambĂ©m, o reflexo do compromisso e dedicação da PMDF em garantir a segurança de nossos cidadĂŁos. “Nossas estratĂ©gias integradas de policiamento preventivo e apoio Ă s vĂ­timas tĂȘm sido fundamentais para alcançar esses resultados positivos. Continuaremos a trabalhar arduamente para manter essa tendĂȘncia de queda e proporcionar um ambiente mais seguro para todas as mulheres.”

 

Tecnologia na proteção da mulher

A Diretoria de Monitoramento de Pessoas Protegidas (DMPP), da SSP-DF, realiza o monitoramento de medidas protetivas de urgĂȘncia (MPU). O total inclui vĂ­timas e agressores monitorados por meio do dispositivo de proteção Ă  pessoa (DPP), tornozeleira eletrĂŽnica, no caso dos agressores, e, ainda, o Viva Flor, tanto os dispositivos entregues em delegacias, como aqueles em que sĂŁo determinados pelo JudiciĂĄrio. Atualmente, 802 pessoas, entre vĂ­timas e agressores, sĂŁo monitoradas pelas tecnologias. AtĂ© o momento, 21 homens foram presos por terem violado as medidas estabelecidas pelo JudiciĂĄrio. Ano passado, 33 agressores foram presos.

 

A SSP-DF tem firmado parcerias com empresas para capacitar colaboradores sobre prevenção da violĂȘncia contra a mulher em eventos como o Na Praia e o Funn Festival

 

“Os dispositivos de monitoramento aumentam a segurança e proteção das mulheres com medida protetiva de urgĂȘncia expedida pelo JudiciĂĄrio. Nosso trabalho Ă© constante, 24 horas por dia, sete dias por semana”, destaca o secretĂĄrio-executivo de Segurança PĂșblica, Alexandre Patury. “A violĂȘncia tende a aumentar progressivamente, e a denĂșncia Ă© fundamental para que as vĂ­timas tenham acesso aos diversos mecanismos de proteção e apoio. Para a vĂ­tima, uma palavra de conforto pode ser essencial, e para quem ajuda, pode significar uma vida preservada.”

 

TransparĂȘncia

Para mais transparĂȘncia no enfrentamento Ă  violĂȘncia contra a mulher, a SSP-DF disponibiliza dados sobre todos os feminicĂ­dios ocorridos no DF, por meio de painel interativo. De forma dinĂąmica e interativa, o painel mostra as anĂĄlises e estudos da CĂąmara TĂ©cnica de Monitoramento de HomicĂ­dios e FeminicĂ­dios (CTMHF), da SSP. Os dados sĂŁo atualizados sistematicamente e poderĂŁo ser acessados por meio do site da SSP. “O principal objetivo dessa tecnologia Ă© fornecer dados que deem um panorama cada vez mais completo sobre as caracterĂ­sticas que envolvem este tipo de crime, contribuindo, de forma relevante, na elaboração de polĂ­ticas cada vez mais assertivas e direcionadas ao enfrentamento do feminicĂ­dio”, ressalta o coordenador da CTMHF, Marcelo Zago.

 

Ressignificar

Em abril, a SSP-DF lançou o curso Ressignificar: Proteção integral Ă s mulheres, voltado para capacitar servidores pĂșblicos no atendimento especial Ă s vĂ­timas de violĂȘncia domĂ©stica. A capacitação Ă© oferecida por meio da Escola de Governo (Egov) para qualificação de profissionais do Sistema de Segurança PĂșblica do DF. A atividade Ă© extensiva a todos os demais servidores da administração pĂșblica que tenham interesse no tema. Ao todo, 7.435 servidores se inscreveram no curso, desde a criação.

 

Parcerias

Com o objetivo de desenvolver açÔes conjuntas relacionadas Ă  prevenção da violĂȘncia contra a mulher, a SSP-DF tem firmado parcerias com empresas para capacitar colaboradores sobre a temĂĄtica. A Ășltima ocorreu com profissionais que vĂŁo atuar no Na Praia, iniciado no Ășltimo final de semana e segue com programação atĂ© setembro. O mesmo ocorreu no Funn Festival, evento musical que reuniu 14 mil pessoas por dia, de acordo com os organizadores. Neste primeiro semestre, 250 colaboradores foram capacitados.

 

 

AlĂ©m das delegacias especiais de atendimento Ă  mulher (Deams I e II), Delegacia EletrĂŽnica e, ainda, as SeçÔes de Atendimento Ă  Mulher em todas as delegacias circunscricionais, a PolĂ­cia Civil conta com o importante apoio dos NĂșcleos Integrados de Atendimento Ă  Mulher – Nuiam

 

 

Para promover açÔes unificadas junto a lideranças religiosas e sociais e Ă  comunidade, a SSP-DF realiza o projeto Encontro Formativo da Aliança Protetiva – InstituiçÔes Religiosas e Sociais no Enfrentamento Ă  ViolĂȘncia DomĂ©stica e Familiar. O objetivo Ă© preparar essas lideranças para orientação e encaminhamento de mulheres e meninas em situação de vulnerabilidade Ă  rede de proteção, como forma de seguridade de direitos.

 

Forças de Segurança

A PolĂ­cia Militar do DF (PMDF) oferece um policiamento especializado para atendimento Ă s mulheres, por meio do Programa de Prevenção Orientada Ă  ViolĂȘncia DomĂ©stica (Provid). O trabalho ajuda a prevenir, inibir e interromper o ciclo da violĂȘncia domĂ©stica. Nos cinco primeiros meses deste ano, os policiais realizaram 7.454 mil visitas e atenderam mais de mil pessoas, entre vĂ­timas, agressores e testemunhas.

 

A corporação iniciou, ainda, a fase presencial do curso Ressignificar. “Reafirmando o compromisso no enfrentamento Ă  violĂȘncia domĂ©stica, a PMDF iniciou a fase presencial do curso em junho, aprimorando, desta forma, o atendimento realizado pelos policiais militares Ă  população do Distrito Federal. A capacitação tambĂ©m reitera aos policiais militares Ă  importĂąncia de fatores a serem observados e consignados em relatĂłrio durante o atendimento emergencial, permitindo que as equipes do Provid possam ter acesso a essas informaçÔes e buscarem uma segunda abordagem a essas vĂ­timas, sob a Ăłtica da prevenção e interrupção do ciclo da violĂȘncia”, explica a coordenadora de PolĂ­ticas PĂșblicas da PolĂ­cia Militar do Distrito Federal (PMDF), major Isabela Almeida.

 

AlĂ©m das delegacias especiais de atendimento Ă  mulher (Deams I e II), Delegacia EletrĂŽnica e, ainda, as SeçÔes de Atendimento Ă  Mulher em todas as delegacias circunscricionais, a PolĂ­cia Civil conta com o importante apoio dos NĂșcleos Integrados de Atendimento Ă  Mulher (Nuiam). Os NĂșcleos funcionam por meio de parceria com outras instituiçÔes governamentais, iniciativa privada e sociedade organizada. No acumulado dos trĂȘs meses deste ano foram realizados 173 atendimentos.

 

“A atenção multiprofissional promovida pelos Nuiams Ă s vĂ­timas de violĂȘncia domĂ©stica e sexual, oferecendo apoio psicossocial e jurĂ­dico, desempenha um papel fundamental no acolhimento dessas mulheres. Esse apoio psicolĂłgico e jurĂ­dico pode ajudar a vĂ­tima de violĂȘncia domĂ©stica a se cuidar no interior de sua residĂȘncia, naquele momento e local no qual a polĂ­cia nĂŁo consegue estar presente para protegĂȘ-la”, ressalta a coordenadora dos Nuiams, delegada Karen Langkammer.

 

Denuncie!

AlĂ©m do registro presencial de ocorrĂȘncias em delegacias, a PCDF disponibiliza o registro de ocorrĂȘncia por meio da Maria da Penha Online. Na plataforma, a comunicante pode enviar provas com fotos, vĂ­deos e requerer acolhimento. AlĂ©m disso, as comunicaçÔes podem ser feitas por meio dos seguintes canais:
→ E-mail denuncia197@pcdf.df.gov.br
→ Telefone 197, opção 0 (zero)
→ WhatsApp (61) 98626-1197

 

A PMDF estĂĄ disponĂ­vel para atendimento emergenciais pelo nĂșmero 190.

 

Edição: João Roberto

 

 

 

 

Governo do Distrito Federal