Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/04/19 às 15h26 - Atualizado em 26/04/19 às 13h16

PCDF desvenda sumiço de recém-nascido ocorrido em 1981

COMPARTILHAR

 

Divisão de Comunicação, da PCDF

 

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) anunciou, na manhã de quinta-feira (25/04), o resultado das investigações da subtração de uma criança que foi retirada da mãe no dia do nascimento. O fato ocorreu em 11 de fevereiro de 1981, na porta do Hospital Regional do Gama, local do parto. As apurações, realizadas pela 14ª DP, possibilitaram a identificação e localização da criança que, atualmente, tem 38 anos.

 

A mãe do recém-nascido, à época com 16 anos, saía do hospital quando deixou seu filho com outras pessoas com a finalidade de fazer uma ligação telefônica. Quando retornou não encontrou mais a criança.

 

Em 2013, após inúmeras tentativas frustradas de encontrar o menino, ela decidiu comunicar o ocorrido à polícia do DF. Os policiais da 14ª DP iniciaram as investigações e, superando as dificuldades, em razão do tempo transcorrido, obtiveram sucesso na localização do filho no Estado da Paraíba. O parentesco foi comprovado após exame de DNA realizado pelo Instituto de Pesquisa de DNA Forense (IPDNA/PCDF). O material genético do filho foi coletado e encaminhado pela polícia civil paraibana.

 

A PCDF apurou que o bebê foi levado por pessoas ligadas à dona de um orfanato, localizado em Corumbá de Goiás (GO), local onde a genitora permaneceu por muitos anos, com os irmãos, após perder os pais.

 

O fato (subtração de incapaz e registro do filho de outra pessoa) não foi criminalizado porque não havia legislação, à época, que tratasse a situação como crime.

 

De acordo com o diretor-geral da PCDF, Robson Cândido, a PCDF realizou um trabalho de excelência na apuração dos fatos que culminaram na resolução do caso. “Foi uma pesquisa que envolveu muito trabalho”, concluiu o diretor. Murilo de Oliveira, delegado da 14ª DP, ressaltou a importância do conhecimento das origens e afirmou que a Polícia Civil se sente honrada em restabelecer a verdade dos fatos e o reencontro entre filho e genitora.

 

Foto: Divulgação PCDF