Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/04/19 às 15h41 - Atualizado em 11/04/19 às 13h30

Ibaneis inaugura Centro Especializado de Atendimento à Mulher

COMPARTILHAR

Da Agência Brasília

 

O Distrito Federal ganhou um Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam), nesta segunda-feira (08/04). A unidade da 102 Sul, instalada dentro da estação de metrô, foi inaugurada com a presença do governador Ibaneis Rocha e da secretaria da Mulher, Ericka Filippelli.

 

O centro vai disponibilizar de forma gratuita o acolhimento e acompanhamento social, psicológico, pedagógico e de orientação jurídica às mulheres em situação de violência de gênero.

Em seu discurso, Ibaneis Rocha destacou o compromisso do GDF no auxílio às vítimas. “Essa é uma união de esforços para salvar as mulheres. Precisamos investir nesse empoderamento. Temos que estar nas cidades, nas estações de metrô”, discursou o chefe do Executivo. A intenção do governo local é expandir o sistema para outras regiões administrativas.

 

Titular da pasta responsável pelo Ceam, Ericka Filippelli pontuou o atendimento e acompanhamento disponibilizado às vítimas de diversos tipos de violência. “Elas vão ter acesso ao Judiciário, por meio da presença da Defensoria Pública, e um apoio mais integrado”, comentou. O local vai funcionar de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h.

 

Empodera DF

No evento, Filippelli citou a criação do sistema Empodera DF, que irá registrar os casos das mulheres socorridas pelo Ceam. Nele, os servidores vão poder quantificar e qualificar a assistência prestada. Além da secretária e do governador, a solenidade contou com a presença do vice-governador Paco Britto, do secretário de Segurança Pública, Anderson Torres, e de titulares de outras pastas. A delegada Sandra Melo, titular da unidade Especial de Atendimento a Mulher (Deam), e a defensora-pública geral, Maria José Silva Souza de Nápolis, discursaram e elogiaram a atenção multidisciplinar que será ofertada no Ceam.

 

Apoio

Um dos objetivos desse apoio é fortalecer a autoestima e autonomia, o resgate da cidadania e a prevenção de situações de violações de direitos. O atendimento é preferencial nos casos de risco elevado, mulheres com deficiência e idosas.