Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
7/06/18 às 12h12 - Atualizado em 29/10/18 às 12h51

? Cai incidência de crimes contra patrimônio em Taguatinga

COMPARTILHAR

Adriana Machado

 

 

Os crimes contra o patrimônio tiveram redução de 19,2%, em Taguatinga, de janeiro a maio deste ano, em comparação com o mesmo período de 2017. Os delitos, furto e roubo em veículo; roubo a pedestre, e roubos em transporte coletivo, comércio e residências são monitorados pelo programa Viva Brasília – Nosso Pacto Pela Vida, que é a política pública de segurança do governo do Distrito Federal.

 

A maior retração no período foi do roubo em transporte coletivo, com queda de 29,8%, passando de 47 para 33 roubos. Em maio, a redução foi de quase 50%, de treze para sete ocorrências. Na sequência, aparecem os roubos de veículos, com queda de 21,3% (296 para 233), e a transeunte, com menos 18,7% de ocorrências criminais. O levantamento também mostra a que os roubos a comércio – que inclui comércios em geral, casas lotéricas e postos de gasolina –  passaram de 72 crimes ano passado para 59 neste ano.

 

Várias ações vem sendo realizadas pelo 2º Batalhão de Polícia Militar e pelas três delegacias de Polícia Civil que atendem a região. Uma das ações é o número de WhatsApp que foi disponibilizado para população fazer contato direto com o policiamento da área.

 

“Distribuímos adesivos com o número – o (61) 98301-1149 – em todo o comércio da região. As demandas chegam e são visualizadas em uma tela de televisão para que todos tenham acesso aos dados. O monitoramento é feito 24 horas por dia”, explicou o comandante do Batalhão, major Elias Costa.

 

O militar disse ainda que as informações enviadas por meio da ferramenta auxiliam na rapidez do atendimento de emergência. “Com o aplicativo, é possível o comerciante enviar até mesmo fotos e informações mais precisas, o que contribui para o trabalho do policial que atende a ocorrência”, disse.

 

Crimes contra a vida

No período analisado, foi registrado um latrocínio em Taguatinga em 2017 e um este ano. Embora a PMDF venha atuando na prevenção, com rondas pelas ruas e com apreensão de armas, o crime de latrocínio (roubo seguido de morte) dispõe de uma imprevisibilidade de violência por parte do agressor. Também é importante explicar que o Distrito Federal não tem tido altos registros de latrocínio. Foram registrados dez homicídios na região – dois a mais que neste ano.

 

Edição: Joaquim São Pedro

 

Leia também...